domingo, 21 de dezembro de 2008

Campeão Paulista de 1928 / 1929 / 1930




Em 1928 o Corinthians termina o "jejum" de títulos, pois estava há 3 anos sem conquistar o campeonato paulista. Pela terceira vez desde a criação do troféu, em 1923




O Campeão Paulista de 1930, só saiu no começo de 1931, o Corinthians venceu o Santos na final por 5 x 2, outro fato interesante foi que o jogador Gambinha conseguiu uma proeza: nos três anos, ele foi o artilheiro do Corinthians: 16 gols em 1928, 8 em 1929 e 22 em 1930.


Em pé: Tuffy, Nerino, Grané, Guimarães, Del Débbio e Munhos.
Agachados: Filó, Neco, Peres, Rato e De Maria.

Campanha do Campeonato Paulista de 1928
Jogos: 12
Vitória: 10
Empate: 1
Derrotas: 1
Gols pró: 41
Gols Contra: 12

Campanha do Campeonato Paulista de 1929:
Jogos: 7
Vitória: 7
Empate: 0
Derrotas: 0
Gols pró: 33
Gols Contra: 8

Campanha do Campeonato Paulista de 1930:
Jogos: 26
Vitória: 20
Empate: 4
Derrotas: 2
Gols pró: 94
Gols Contra: 33

Campeão Paulista de 1928




Da esquerda para a direita: Tuffy, Grané, Apparício, Neco, De Maria, Del Debbio, Gambinha, Mário, Munhoz, Soares e Rato.

Em 1928 o Corinthians termina o "jejum" de títulos, pois estava há 3 anos sem conquistar o campeonato paulista. Pela terceira vez desde a criação do troféu, em 1923
Campanha do Paulista de 1928:
Jogos: 12
Vitória: 10
Empate: 1
Derrotas: 1
Gols pró: 41
Gols Contra: 12

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Campeão Paulista de 1922 / 1923 / 1924

Depois do título histórico de 1922, o Timão papou o caneco de 1923 do paulistão e o melhor ainda estava para acontecer, 1924. O ano do primeiro tri do Timão. A disputa foi interrompida por quase um mês, entre maio e junho. Apesar disso, Timão não perdeu o embalo e escreveu novamente uma página gloriosa da sua história.

Em pé: Gelindo, Rafael, Rueda, Colombo, Del Débbio e Ciasca.
Agachados: Peres, Neco, Pinheiro, Tatu e Rodrigues.
Fizeram parte do elenco: Mário, Carioca, Costa, Leone, Pinheiro, Garcia, Amílcar, Gambarotta, Apparício, Rato. Técnico: Guido Giacominelli.

Campanha do Campeonato Paulista de 1923

Jogos: 17
Vitória: 14
Empate: 1
Derrotas: 2
Gols pró: 53
Gols Contra: 13

Campanha do Campeonato Paulista de 1923

Jogos: 17
Vitória: 12
Empate: 1
Derrotas: 4
Gols pró: 46
Gols Contra: 22

Campeão Paulista de 1922 - Centenário da Independência do Brasil




Em pé: Mário, Peres, Amílcar, Rafael, Del Débio, Gelindo, Neco, Ciasca, Tatu, Gambarotta e Rodrigues.
Fizeram parte do elenco: Pizzocaro, Xororó, Garcia, Ferrúcio, Nando e Gano.


Depois de ficar cinco anos sem ganhar títulos paulistas, o Corinthians volta, em 1922, a ser um time vencedor. Foi um título histórico: 1922 era o ano do Centenário da Independência do Brasil. Quem fosse campeão entraria para a história como o Campeão do Centenário da Independência do Brasil. Oportunidade igual aquela só no longínquo 2022.

Campanha do Campeonato Paulista de 1922
Jogos: 18
Vitória: 14
Empate: 2
Derrotas: 2
Gols pró: 71
Gols Contra: 20

Campeão Paulista de 1916



Em pé: Américo, Peres, Amílcar, Apparício e Neco.
Agachados: Police, Bianco e Cesar Nunes.
Sentados: Fúlvio, Sebastião e Casemiro González.
Fizeram parte do elenco: Aristides , Victorino, Pizzocaro, Dias, Plínio e Marconi.


Depois de ficar um ano sem jogos oficiais, o Corinthians volta a disputar o Campeonato Paulista em 1916 e foi novamente campeão invicto.


Campanha do Campeonato Paulista de 1922

21 / 05 / 1916 - Corinthians 3 x 1 Maranhão
06 / 08 / 1916 - Corinthians 6 x 0 Alumni
14 / 08 / 1916 - Corinthians WO Ruggerone
03 / 09 / 1916 - Corinthians 2 x 0 Luzitano
24 / 09 / 1916 - Campos Elíseos 1 x 3 Corinthians
29 / 10 / 1916 - Corinthians 2 x 0 Paysandu
05 / 11 / 1916 - Americano 0 x 1 Corinthians
19 / 11 / 1916 - Corinthians 3 x 1 União Lapa

08 jogos
08 vitórias
20 gols pró
 

03 gols contra



O grande jogo daquela campanha foi contra o Americano, considerado um verdadeiro clássico, que levou mais de 3 mil pessoas ao Parque Antárctica e foi filmado para a exibição dos melhores lances nos cinemas da época. Mas, desde aquela época, o timão já era odiado e, mais uma vez, a conquista foi ofuscada.  Antes do final do campeonato, a APEA absorveu a Liga Paulista de Foot-Ball.  Todos os times da LPF foram postos na 2ª divisão, menos o Corinthians, o que prova que já naquela época já tínhamos muito prestígio. E com a conquista do título, o Corinthians chegou a incrível marca de 3 anos sem derrotas, o que o colocaram como um dos grandes do futebol paulista. A taça oferecida pela Liga Paulista de Foot-Ball foi conquistada em definitivo.

O artilheiro daquele ano foi Aparício, com 7 gols.


 

Campeão Paulista de 1914

Em pé: Fúlvio, Casemiro do Amaral e Casemiro González.
Agachados: Police, Bianco e César Nunes.
Sentados: Aristides, Peres, Amílcar, Dias e Neco.
Fizeram parte do elenco: Sebastião, Horácio , Apparício e Américo.
Em pé: Américo, Peres, Amílcar, Aparicio e Neco; no centro estão Police, Bianco e César;
Agachados: Fúlvio, Aristides e Casemiro González. 
Após quatro anos de fundação O Corinthians conquistou seu 1º título da história.
Em 10 partidas, o Timão venceu todas, e além de sagrar-se campeão invicto , teve também Neco, seu maior ídolo da época, como artilheiro do torneio com 12 gols.
Logo em sua estréia no campeonato goleada no Lusitano por 6 a 0, neste ano o Corinthians não teve adversários a altura.

12/04/1914 Luzitano 0 x 6 Corinthians
10/05/1914 SC Internacional 2 x 3 Corinthians
17/05/1914 Minas Gerais 1 x 2 Corinthians
21/06/1914 Corinthians 3 x 1 Germânia
14/07/1914 Corinthians 5 x 1 Campos Elíseos
26/07/1914 Hydecroft* 1 x 4 Corinthians
13/09/1914 Corinthians 4 x 2 SC Internacional
27/09/1914 Corinthians 3 x 1 Minas Gerais
08/11/1914 Corinthians 4 x 0 Campos Elíseos
15/11/1914 Corinthians 3 x 0 Luzitano 


Porém, os jornais da época, davam mais valor ao campeonato organizado pela APEA, à qual pertencia os clubes de maior poder aquisito como o Paulistano e A.A. das Palmeiras.
Mas isso pouco importou. Apesar do desprezo de alguns dirigentes e jornalistas.
O campeonato da LPF era o que tinha o status de Campeonato Paulista.
O titulo veio na penúltima rodada em 8 de novembro de 1914, em um jogo contra o Campos Elyseos. 

Ídolos Corinthianos - Marcelinho Carioca

O atacante Marcelinho Carioca tinha 21 anos quando chegou ao Parque São Jorge, já na sua primeira apresentação no Corinthians previu: "Quero marcar minha passagem aqui. Vim para o Corinthians para ser campeão." Marcelinho parecia saber que, escreveria o seu nome na história do Todo Poderoso. Impressionante, desde à chegada no Corinthians em 1994 até 2001, Marcelinho conquistou títulos todos os anos foram simplesmente 10 títulos pelo Timão em 7 ano de clube. No meio da temporada de 1997 depois de ser Campeão Paulista e do excelente futebol apresentado foi vendido para o Valência da Espanha, Nos seis meses que passou lá, o atleta quase não foi aproveitado pelo técnico. Reserva e sem se adaptar à Europa, Marcelinho só queria uma coisa: voltar ao Brasil. Ao saber da vontade do jogador, Eduardo José Farah, presidente da Federação Paulista de Futebol , comprou o passe do jogador junto ao Valência e após conversa com o meia e definiu como seria a volta ao País. Primeiramente, Farah criou o "Disque Marcelinho", para o qual, a R$ 3,00 reais por telefonema, torcedores dos quatro maiores clubes do estado deveriam ligar e escolher o futuro do jogador. Após 11 dias da promoção, os fanáticos alvinegros conseguiram trazer o Pé de Anjo de volta a terra sagrada o Parque São Jorge. 
Poucos jogadores se encaixaram tão bem na definição de craque-problema como Marcelinho Carioca. Dentro das quatro linhas, um extraordinário jogador. De seus pequenos pés de anjo tamanho 35,5 já saíram inúmeros lançamentos perfeitos, dribles desconcertantes e chutes venenosos que alimentaram a sala de trofeus do Sport Club Corinthians Paulista e emocionaram milhões de apaixonados torcedores. Porém, fora dos gramados, poucos despertaram tanto ódio como Marcelinho. Doutor eu não me engano, o Marcelinho é Corinthiano.................. assim a torcida reverencia seu ídolo toda vez que o encontra, mesmo quando ele esta jogando contra o Timão.
Uh Marcelinho, uh Marcelinho..................


Nome: Marcelo Pereira Surcin
Nascimento: 01 / 02 / 1972
Rio de Janeiro - RJ
Posição: Meia-atacante
Período em que jogou no Corinthians:
de 1994 à 1997, de 1998 à 2001 e 2006
Jogos: 432
Gols: 206




Títulos:


Campeão da Copa Bandeirantes de 1994
Campeão Paulista de 1995
Campeão da copa do Brasil de 1995
Campeão do Troféu Ramón de Carranza de 1996
Campeão Paulista de 1997
Campeão Brasileiro de 1998
Campeão Paulista de 1999
Campeão Brasileiro de 1999
Campeão Mundial de Clubes de 2000
Campeão Paulista de 2001


video


Uh Marcelinho, uh Marcelinho..................

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Ídolos Corinthianos - Carlitos Tevez

Ninguém acreditava. Torcedores rivais esnobaram e tiraram sarro, dizendo ser impossível a contratação da maio revelação argentina da atualidade. Pois bem, ele veio por 20 milhões de dólares, a maior contratação da história de uma equipe sulamericana. 

No começo, foi meio tímido, mas quando começou a mostrar seu bom futebol, ninguém segurou, com muita técnica, raça e disposição. Tevez foi o grande nome do Tetra Campeonato Brasileiro , fazendo muitos gols e decidindo jogos importantes. 

Tevez criou algumas polêmicas também, quando brigou com Carlos Alberto e Marquinhos, com quem trocou socos e pontapés, um dia apareceu com a camisa do Manchester United em uma presentação no parque São Jorge e acabou multado; Mas sua luta dentro de campo e a vontade de jogar bola superou tudo isso e hoje Carlitos Tevez hoje é um dos maiores Corinthianos. 

Carlitos participou de 47 jogos pelo Timão e marcou 31 gols, passagem rápida mas suficiente para ganhar o Campeonato Brasileiro de 2005 e ser eleito o melhor jogador da competição


Gols de Tevez pelo Sport Club Corinthians Paulista
video



Nome: Carlos Alberto Tevez
Nascimento: 05 / 02 / 1984
Buenos Aires - Argentina
Posição: Atacante
Período em que jogou no Corinthians:
de 2005 à 2006
Jogos: 78
Gols: 46




Títulos:



quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Ídolos Corinthianos - Vampeta


O apelido vem da infância. E é uma estranha mistura de vampiro com capeta, Marcos Antonio Batista dos Santos , o Vampeta, que nasceu em Nazaré das Farinhas/BA, no dia 13 de março de 1974. Vampeta é o chamado volante moderno. Sabia marcar, carregar a bola, armar e, quando aparecia a chance, ainda chutava com extrema eficiência, que deram alguns gols importantes para o Corinthians. Como o que diminuiu a diferença de gols na derrota para o Atlético Mineiro na primeira partida das finais do Campeonato Brasileiro de 1999. Vampeta foi contratado junto ao PSV da Holanda, a pedido do então técnico Vanderlei Luxemburgo, para atuar na lateral direita. Mas logo o técnico percebeu que seria muito mais inteligente utiliza-lo no meio-campo, ao lado de Rincón, com quem formou a maior dupla de meias-campistas do futebol brasileiro nos últimos anos 
Vampeta tornou-se o símbolo da descontração numa época em que a seriedade e o profissionalismo ditam a moda do esporte bretão. Através de declarações bem-humoradas e polêmicas provocadas puramente para a promoção de rivalidades, conseguiu atingir o status de xodó se envolveu em muitas polemicas, logo que chegou ao Corinthians, se envolveu numa briga de transito com um policial, quase foi mandado embora. Depois posou nu para uma revista gay. Em 2000, tomou as dores do amigo Edílson em seu desentendimento com a torcida. Acabou deixando o clube e indo jogar na Itália, voltou em 2002 ao Parque São Jorge e jogou só por mais um ano, mas continuou se envolvendo em polemicas, primeiro disse que o São Paulo era um time de "bambis". Depois falou mal (com razão) do regulamento do Campeonato Paulista, e foi multado, disse que não iria pagar e não pagou. 

Nome: Marcos Antônio Batista dos Santos
Nascimento: 13 / 03 /1974
Nazaré das Farinhas - BA
Posição: Volante
Período em que jogou no Corinthians:
de 1998 à 2000, de 2002 à 2003 e 2007
Jogos: 268
Gols: 17


Títulos: 


Campeão Brasileiro de 1998 
Campeão Paulista de 1999
Campeão Brasileiro de 1999
Campeão Mundial de Clubes de 2000
Campeão Paulista de 2001
Campeão do Torneio Rio - São Paulo de 2002
Campeão da Coapa do Brasil de 2002

Ídolos Corinthianos - Rincón


Freddy Eusébio Gustavo Rincón Valencia, nasceu em Buenaventura/colômbia no dia 14/08/1966, chegou ao Corinthians vindo do Palmeiras, mas seu passe ainda pertencia ao Real Madri, da Espanha. Meia de origem, foi adaptado para a posição de volante,Rincón jogou 137 partidas pelo Timão marcando 10 gols, jogador que tinha muita disposição física, tomou conta do meio-campo alvinegro, cadenciando o jogo, orientando a defesa, protegendo a bola como ninguém. 
video
Ao lado de Vampeta, formou o melhor meio-campo do futebol brasileiro nos últimos tempos. Ídolo da torcida, depois de erguer a taça de campeão mundial de clubes, em janeiro de 2000, Rincón anunciou que não jogaria mais pelo Corinthians. Dias depois um novo anuncio, desta vez sua ida para o Santos, deixou a fiel enfurecida. Saiu do Parque São Jorge com a irremediável pecha de mercenário. 

No primeiro jogo que fez contra o Corinthians vestindo a camisa do Santos, foi recebido com vaias e uma chuva de dinheiro com sua foto na nota, o Corinthians venceu aquele jogo por 5 x 1, pouco depois Rincon deixou o Santos e declarou que a sua verdadeira casa era o Parque São Jorge. Rincón agora torcedor ilustre, é muito comum encontra-lo nas arquibancadas do Pacaembu.




Nome: Freddy Eusebio Gustavo Rincón Valencia
Nascimento: 14 / 08 / 1966
Buenaventura - Colômbia
Posição: Volante
Período em que jogou no Corinthians:
de 1997 à 2000 e 2004
Jogos: 158
Gols: 11




Títulos: 


Campeão Brasileiro de 1998
Campeão Paulista de 1999
Campeão Brasileiro de 1999
Campeão Mundial de Clubes de 2000

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Ídolos Corinthianos - Ricardinho

O Corinthians foi buscar Ricardinho em julho de 1998 no Bordeaux da França, por indicação do técnico Wanderlei Luxemburgo. Jogador Inteligente e habilidoso ele cumpria muito bem todas as funções do meio-campo e, ainda, chegava à frente para marcar gols. 
No inicio Ricardinho era reserva, e toda vez que entrava o time do Corinthians melhorava. Virou titular apenas com Oswaldo de Oliveira no inicio de 1999 e não saiu mais do time, vez gols decisivos no Brasileiro de 1999 na semi-final contra o são paulo e em 2001 contra o santos na semi-final do campeonato paulista, gol aos 47,40 minutos do segundo tempo . 




Após a Copa do Mundo de 2002, onde se sagrou Campeão com a Seleção Brasileira, o Corinthians em umas das péssimas negociações já feitas no Parque São Jorge conseguiu perder o jogador para o são paulo. Odiado por muitos torcedores por trocar de clube, Ricardinho deixou de figurar em muitos corações como ídolo. Mas é inegável o maravilhoso futebol apresentado pelo jogador nos 4 anos no Sport Club Corinthians Paulista. 
Ricardinho acumula um curriculum invejável.

Nome: Ricardo Luís Pozzi Rodrigues
Nascimento: 23 / 05 /1976 
São Paulo - SP
Posição: Meia
Período em que jogou no Corinthians: 
de 1998 à 2002 e 2006
Jogos: 277
Gols: 66




Títulos:


Campeão Brasileiro de1998
Campeão Paulista de 1999
Campeão Brasileiro de1999
Campeão Mundial de Clubes de 2000
Campeão Paulista de 2001
Campeão Rio-São Paulo de 2002
Campeão da Copa do Brasil de 2002

video

Ídolos Corinthianos - Márcio

Retrato da Fiel torcida e da garra corintiana, Henrymárcio Bittencourt, ou simplesmente Márcio, foi um dos jogadores que mais incorporaram o espírito alvinegro. Participou das conquistas do Campeonato Paulista de 1988 e do Campeonato Brasileiro de 1990 , o primeiro dos três títulos nacionais que o clube já conquistou. Na decisão contra o São Paulo, a camisa manchada de sangue personificava no volante o sentimento dos milhares de torcedores espalhados pelos quatro cantos do Brasil. Marcio  fez apenas 1 gol em sua carreira toda. Atuando pelo Internacional de Porto Alegre ele fez o gol justamente contra o seu clube de coração, o Corinthians. Ele não comemorou o seu gol.


Nome: Márcio Bittencourt
Nascimento: 19 / 10 / 1964
São José dos Campos - SP
Posição: Meia - Volante
Período em que jogou no Corinthians: 
de 1988 à 1990
Jogos: 103
Gols: 0
Títulos:

Campeão Paulista de 1988
Campeão Brasileiro de 1990 

Ídolos Corinthianos - Wilson Mano


Wilson Mano Jogou no Timão por sete anos, mas nem sempre como titular. Porém jamais recusou uma oportunidade de entrar em campo, destacando-se pela sua polivalência. Originalmente um volante, jogou nas duas laterais, no miolo de zaga, nas meias e no ataque. Vestiu todas as camisas possíveis, exceto a número 1, do goleiro.

Disposição, raça e amor a camisa com tanta dedicação ao clube lhe redndeu uma grande recompensa. 
Mesmo começando diversas partidas do banco, O Coringa do Timão se tornou o 15° jogador do Timão com mais partidas disputadas, com 408 partidas e 35 gols. O mais importante deles aconteceu contra o são paulo na primeira partida da final que deu a vitória ao Timão por 1 à 0, e abril o caminho para o Título Brasileiro de 1990,


Nome: Wilson Carlos Mano
Nascimento: 23 / 05 / 1964
Auriflama - SP
Posição: Volante ( o coringa )
Período em que jogou no Corinthians:
de 1986 à 1992 e 1994
Jogos: 408
Gols: 35


Títulos:

Campeão Paulista de 1988
Campeão Brasileiro de 1990
Campeão da Copa Bandeirantes de 1994
Campeão da Copa dos Campeões da Conmebol de 1994
Campeão da Taça da Solidariedade de 1994

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Ídolos Corinthianos - Gamarra

Gamarra jogou 2 anos no Corinthians de 1998 até 1999 e neste período em que vestiu o manto sagrado, Gamarra fez o suficiente para se firmar como o maior zagueiro do clube nos últimos vinte ou trinta anos., com uma categoria rara de se encontrar nos zagueiros. Ele encantou a Fiel com seu posicionamento, cobertura e, o mais importante, sua eficácia na zaga, sem fazer faltas. 
video
Em 1998, Gamarra, então comandado por Wanderley Luxemburgo, Gamarra passou a ser idolatrado pela torcida alvinegra. Seu futebol combativo, mas sem muitas faltas, foi enaltecido pela crítica esportiva, que não teve dúvidas em incluir seu nome no rol de craques estrangeiros que brilharam no Brasil, no mesmo ano ano disputoua Copa do mundo pela a Seleção do Paraguai e ganhou o título de melhor zagueiro do mundo.


Nome:  Carlos Alberto Gamarra Pavón
Nascimento: 17 / 02 / 1971
Ypacaraí - Paraguai
Posição: Zagueiro
Período em que jogou no Corinthians:
de 1998 à 1999
Jogos: 80
Gols: 7


Títulos

Campeão Paulista de 1999
Campeão Brasileiro de 1998